7 dicas de redes sociais para Profissionais de Saúde

Para profissionais de saúde, usar as redes sociais pode ser uma tarefa um tanto confusa, visto que, além da obrigatoriedade de seguir as normas éticas do seu conselho de classe, eles ainda precisam de tempo para explorar e utilizá-las corretamente de forma profissional.
Nada disso é motivo para que você desista desse tipo de mídia para divulgar seu trabalho, porém. Afinal, as redes sociais podem trazer resultados bastante expressivos, atraindo potenciais pacientes que precisam dos seus cuidados.
Pelas redes, profissionais da saúde podem estreitar o relacionamento com os pacientes que já possuem, atrair a atenção de novos, conquistar maior visibilidade e, até mesmo, construir uma reputação de valor.
Porém, tudo vai depender do conteúdo que é postado e como os canais, as páginas ou os perfis serão gerenciados. É preciso estar atento e realizar um trabalho profissional, com planejamento e monitoramento das ações e resultados! Saiba como fazer isso no artigo de hoje!

1. Jamais cite qualquer informação sobre pacientes
Tudo o que se passa dentro de um consultório médico ou em qualquer outro estabelecimento — como clínicas, laboratórios e hospitais — deve ser mantido ali mesmo e discutido com outros profissionais apenas se for de relevância médica. Ética acima de tudo!
Isso vale até mesmo para casos que citem os nomes ou outras informações que possam identificá-los. Além de ser uma ação que o Conselho condena, isso causa uma imagem bastante negativa diante seus pacientes atuais e em potencial.
Imagine se você gostaria de ser atendido por um profissional que depois vai à internet publicar suas informações pessoais? Poste conteúdos informativos, que possam ajudar seu público e, quando for necessário citar exemplos, procure criar personagens fictícios e deixe isso bastante claro!

2. Não faça atendimentos online
Qualquer tipo de atendimento médico ou na área de saúde só pode ser feito dentro de um estabelecimento licenciado para isso. É proibido consultar, diagnosticar ou prescrever qualquer tratamento por meio de canais de comunicação — principalmente, se forem à distância.
O contato entre profissionais de saúde e pacientes nas redes sociais deve ser apenas no sentido de prestar esclarecimentos e orientações sobre cuidados, prevenções e qualidade de vida.

3. Tenha cuidado com o que você curte
As redes sociais mostram aos seus amigos e seguidores não apenas o que você posta, mas também o que curte, comenta ou compartilha. Lembre-se que qualquer ação sua reflete na imagem profissional.
Muitas vezes, um comentário mais polêmico, com um ponto de vista diferenciado, pode ser visto e mal interpretado pelos seus seguidores. Além disso, as sanções por curtidas podem ser as mesmas caso fosse você o autor da publicação. Afinal, se curtiu é porque aprovou e pensa da mesma forma.
A melhor opção é pensar bem antes de interagir com outras postagens. Será que isso pode afetar minha imagem profissional? Isso está em concordância com o Código de Ética da minha profissão? É mesmo necessário dizer algo a respeito do que foi publicado por outrem? Limite-se às interações que possam agregar valor positivo à sua imagem e contribua de forma informativa aos seus pacientes.

4. Não se esqueça de que você é um formador de opinião
Há muitas pessoas nas redes sociais que estão em busca de “milagres” em assuntos referentes à saúde. Seja uma dieta alimentar para emagrecer, para rejuvenescer, para tratar doenças — enfim, a lista de possibilidades é longa.
Por outro lado, você, como profissional de saúde, é uma autoridade na área, é um formador de opinião, uma fonte confiável. Se você publicar que algo é bom para a saúde, as pessoas vão acreditar.
Por isso, tome muito cuidado com o que você publica ou compartilha. Se outro perfil divulgou uma pesquisa, leia a informação completa, procure por mais dados a respeito e não apenas compartilhe - complementar e dar um parecer técnico sobre o assunto. Isso inclui casos negativos: se algo não é bom, informe seu público para que ele fique alerta.

5. Preste atenção se não está sendo preconceituoso
Muitas vezes, quando estamos escrevendo algo para postar nas redes sociais ficamos tão focados no conteúdo e nas informações que nos esquecemos de avaliar todo o cenário. Leia e releia várias vezes o que você está publicando e reflita se de alguma forma a sua postagem ou comentário poderia ser entendido de forma preconceituosa.
O profissional de saúde tem que mostrar o mesmo valor e dedicação a qualquer tipo de público sem restrições. Procure sempre se comunicar com todos e, quando tiver que falar de algum público em específico, redobre a atenção!

6. Lembre-se de que nas redes sociais, a vida pessoal e profissional é uma só
Há profissionais de diversas áreas que se sentem prejudicados quando uma empresa pune por algo que foi postado nas redes sociais, acreditando que ali seja um espaço pessoal e que a empresa não pode interferir. A realidade não é bem assim.
Mesmo sendo este um espaço pessoal, é um lugar onde as pessoas expressam suas opiniões e podem, sim, serem punidas por seus atos. Na área médica, isso fica ainda mais evidente. O perfil de um médico no Facebook, mesmo não contendo o “doutor” no nome e apesar de estar cheio de fotos de família e acontecimentos pessoais, será sempre o perfil de um médico diante dos seus pacientes.
Ou seja, mesmo que você não utilize as redes sociais com fins profissionais, seu público sempre o verá ali como a pessoa que presta serviços na área da saúde. A melhor forma de lidar com isso é assumir de vez que, na internet, não existe separação entre a vida pessoal e profissional. Tenha sempre uma postura de respeito, atenção às postagens e outras ações e seja cordial nas respostas aos seus seguidores.

7. Não desabafe ou faça postagens polêmicas
Imagine que um paciente vá a um médico e, no meio da consulta, ele começa a contar seus problemas familiares, a discutir política ou a criticar o time de futebol dos seus amigos. Isso não pode acontecer de jeito nenhum, não é? O mesmo vale para as redes sociais.
O que não pode ser expressado no consultório médico também não pode ser exposto na internet. Não se envolva com assuntos polêmicos que não estejam relacionados à sua área de atuação — como política, esportes, novelas, reportagens sensacionalistas, etc.
Para finalizar, ficam duas dicas: 1) leia o Código de Ética do seu Conselho de Classe , fique ciente do que você pode ou não fazer na internet; 2) sempre busque se colocar no lugar de seus pacientes e tente descobrir qual percepção eles teriam ao ver a ação que você pretende realizar.


Comece a construir seu site hoje!

A partir de 5 parcelas de R$192.00 apenas.